fbpx
Início » Frente parlamentar pela Eletromobilidade deve ser votada no Senado

Frente parlamentar pela Eletromobilidade deve ser votada no Senado

por Alessandra Neris
Publicado Última atualização em

O Senador Rodrigo Cunha (PSDB/AL) propôs a frente parlamentar pela Eletromobilidade, recentemente encaminhada ao plenário do Senado, ou seja, no dia 16/11. Vale dizer que em 2021, o Brasil pode vir a ultrapassar os 30 mil novos veículos elétricos licenciados, incluindo os híbridos.

Apenas entre os meses de janeiro e outubro 26.940 carros receberam licenciamento, o que deu uma média de 2.694 por mês. Já, em 2020, foram licenciados 19.745 veículos entre janeiro e dezembro. Em 2019, foram 11.858 carros.

> Leia: tudo o que você precisa saber sobre carros elétricos

Frente parlamentar pela Eletromobilidade: representatividade

Os números ainda são baixos em comparação ao total de veículos licenciados. Assim, em 2021, foi registrado 1,7%, em 2020, 1% e em 2019, apenas 0,4%. A maior parte dos emplacamentos de carros no Brasil foram os flex fuel, com 1,334 milhão de licenciamentos em 2021, resultando em 82,3% do total. No entanto, podemos observar uma progressão na quantidade de adeptos da eletromobilidade.

Motivações para a frente parlamentar pela Eletromobilidade

Algumas das motivações para colocar em prática o projeto de resolução do Senado, apresentado por Cunha, são de grande relevância para a sociedade. Os argumentos recaem no combate à crise ambiental, uma mobilidade urbana eficiente, sustentabilidade e saúde pública. É bom lembrar que, em janeiro de 2022, a lei que instituiu as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana, no país, fará 10 anos.

Doenças respiratórias como justificativa

Com isso, a justificativa para a frente parlamentar pela Eletromobilidade inclui a medida como parte da solução para reduzir as doenças respiratórias provocadas pela poluição.

De acordo com o Ministério da Saúde, os casos de doenças associadas à poluição subiram mais 14% entre 2006 e 2016. Esse fato já consumiu mais de R$ 1,2 bilhões anuais do orçamento público.

O texto também se refere à capacidade de extração e produção de nióbio e cobre. Esses minerais são usados para expandir e desenvolver energia para construção leve e armazenamento de energia. Convém destacar, ainda, que em 2018, foi criada uma frente semelhante que deixou de existir na legislatura atual, iniciada em 2020.

Políticas públicas para frente parlamentar pela eletromobilidade

A Associação Brasileira de Veículos Elétricos (ABVE) defende uma política nacional de eletromobilidade que prevê um complexo de medidas para apoiar o transporte elétrico sustentável no país. Entre elas, podemos citar:

  • Equiparação do IPI (Imposto Sobre Produtos Industrializados) dos veículos eletrificados à alíquota que já vigora para os veículos a combustão – 7%;
  • Programa de instalação de redes de eletropostos em rodovias interestaduais;
  • Estímulos à inovação e ao desenvolvimento de programas para o transporte público eletrificado no Brasil.

Frente parlamentar pela eletromobilidade: incentivos fiscais

O projeto de lei 5308/2020, do deputado Luiz Nishimori (PL/PR), está tramitando na Câmara e pretende zerar a alíquota do IPI. Além disso, está nessa lista outros impostos como o Cofins e o PIS/Pasep.

No que tange ao plano estadual, a ABVE defende incentivos tributários à eletromobilidade. Um exemplo disso é o anúncio feito no início de novembro, pelo governo de São Paulo, reduzindo a alíquota de ICMS dos veículos eletrificados. A redução foi de 18% para 14,5% para caminhões, ônibus e automóveis.

Nos municípios, há a possibilidade de incentivar:

  • Eletrificação de frotas de ônibus e de transporte urbano de carga;
  • Leis para instalação de infraestrutura de recarga elétrica nos edifícios residenciais e comerciais;
  • Redução de IPVA para veículos eletrificados, como já existe no Rio de Janeiro e em São Paulo.

> Saiba mais: São Paulo reduz ICMS para veículos elétricos

Regulação do serviço de recarga

Em 2018, a ANEEL aprovou a regulação do serviço de recarga de veículos elétricos. Dessa forma, autorizou a exploração de modelos de negócio com os carregadores por agentes de fora do setor elétrico. São as montadoras, postos de combustíveis, edifícios comerciais e shopping centers.

Portanto, segundo estimativa da ABVE, até setembro operavam 735 eletropostos no país todo. Assim, quase metade da infraestrutura de recarga mapeada pela associação, até março, está em São Paulo. Isso quando ainda contavam 500 eletropostos. Alguns deles são resultado de projetos de P&D, selecionados na chamada pública estratégica 22/18 da agência sobre soluções para eletromobilidade. Ela foi encerrada em 2019, aprovando propostas com R$ 616 milhões em investimentos.

Programa de Mobilidade Elétrica Aldo Solar

Aldo Solar aposta em seu Programa de Mobilidade Elétrica. Assim, disponibiliza ao público a primeira garagem pública para abastecimento de carros elétricos e/ou híbridos alimentada por energia solar do sul do país. Maringá e outras cidades do Brasil têm postos de abastecimento de carros movidos à energia elétrica. No entanto, todos estão ligados à rede oficial de distribuição de energia. A grande diferença é que nesta garagem a eletricidade é gerada pelo sol.

A Aldo acredita que o investimento em seu Programa de Mobilidade Elétrica é uma maneira de difundir ainda mais a energia solar. Essa iniciativa pode oferecer condições de o consumidor brasileiro se interessar, aprender mais e utilizar opções de energia limpa e mais barata.

1ª garagem solar pública do país

A 1ª garagem solar pública do país, localizada na Aldo Solar, foi montada no modelo de carport solar. Trata-se de uma estrutura construída a partir de painéis fotovoltaicos para cobrir áreas de estacionamento e gerar energia a partir da luz do sol. Dessa forma, a solução oferece um ganho duplo. Enquanto protege os veículos do sol, as placas captam a luz solar, convertendo-a em “combustível” para abastecer os carros elétricos ou híbridos.

A garagem fica aberta ao público na sede da Aldo 24 horas por dia, de segunda a domingo, totalmente gratuito. Conta, ainda, com três vagas para abastecimento de carros elétricos.

> Aldo tem posto de abastecimento de carros elétricos movidos a energia solar

Carregador veicular Terra AC Wallbox da ABB

A Aldo Solar é distribuidora do carregador veicular Terra AC Wallbox é o mais novo para todo Brasil. Assim, os modelos de carregadores para carro elétrico da ABB fornecem um ponto de recarga para carros elétricos de alta qualidade.

Além disso, oferecem excelente custo-benefício com possibilidades de updates remotos de softwares e diversas opções de conectividade (Wi-fi, Bluetooth, 4G e Ethernet) para gerenciamento da energia consumida.

Os carregadores Terra AC Wallbox são certificados e testados, garantindo assim segurança e proteção para seu pleno funcionamento. Fabricados com material resistente para uso interno e externo e tecnologia smart de ponta o Terra AC Wallbox entrega soluções personalizadas, inteligentes e gerenciáveis ideais para empresas, casas ou empreendimento.

A força que vem do sol

Por fim, conheça mais sobre energia solar e comece agora mesmo a traçar o seu plano de ação para aderir a essa fonte renovável. Por isso, acesse o site da Aldo Solar e confira os produtos.

Caso prefira, entre em contato com nossa equipe de vendas. Se for consumidor final, acesse a CALCULADORA ALDO SOLAR, faça uma simulação do produto agende uma visita técnica que um revendedor da Aldo irá atendê-lo.

Calculadora - Frente parlamentar pela Eletromobilidade

> Leia também: Como se tornar uma revenda Aldo Solar!

Notícias relacionadas

Leave feedback about this

  • Rating