Início » Saiba mais sobre a segurança cibernética dos inversores

Saiba mais sobre a segurança cibernética dos inversores

por Alessandra Neris
Tempo de leitura: 5 Minutos

As fontes de energias renováveis estão cada dia mais em evidência e isso já faz parte da agenda de muitas empresas. No entanto, o que pouco se fala é da segurança cibernética dos inversores, apesar dos ataques sistemáticos de hackers, que temos presenciado constantemente. Por isso, devemos questionar se já existe uma padronização de protocolos de segurança nos sistemas de comunicação dos inversores com a rede. Da mesma forma, é importante que os fabricantes considerem a segurança que há por trás de seus equipamentos.

Criptografia

Sabemos que, quando lidamos com redes de dados industriais, há sempre um grande risco de sabotagem e espionagem por meio de invasões cibernéticas. Sendo assim, não podemos deixar de nos preocupar com as redes de comunicação dos sistemas fotovoltaicos.

Estamos presenciando uma transição energética cada vez mais orientada na direção das redes inteligentes. Por isso, é fundamental criptografar a comunicação nos inversores da mesma maneira que nas demais tecnologias. Essas redes inteligentes de energia, ou seja, as smart grids, são totalmente integradas por intermédio de tecnologias de comunicação. Assim sendo, os inversores dos sistemas fotovoltaicos também as utilizam e com capacidade para monitorar e controlar os sistemas fotovoltaicos remotamente.

Risco de apagões

Quando se fala em segurança de dados de inversores e sistemas de controle, a maior preocupação gira em torno das ameaças de apagões provocados deliberadamente. Isso é capaz de desligar um conjunto de grandes quantidades de sistemas de geração distribuída ou de usinas solares centralizadas.

Assim, conforme a inclusão da fonte fotovoltaica progride nas matrizes energéticas de diversos países, os apagões podem interferir na estabilidade das redes elétricas. E esse fato está associado à infraestrutura de comunicação global da internet, na qual os inversores fotovoltaicos estão baseados. Da mesma forma, estão seus hubs de comunicação, plataformas de monitoramento e data loggers, sendo essa uma tendência dificilmente reversível.

Papel das smart grids

O ambiente de comunicação oferecido pela internet é ótimo para fomentar o crescimento dos sistemas fotovoltaicos rumo às smart grids. No entanto, o nível de segurança cibernética dos inversores deve ser elevado. E isso pode ser feito por meio de esforços dos fabricantes, operadores e instaladores, que podem ter na criptografia um papel essencial nesse processo.

Em relação às smart grids, os inversores podem exercer funções que extrapolem sua missão original, ou seja, a injeção de potência ativa na rede elétrica. As novas funções, portanto, abrangem a comunicação com centrais de controle para regular a tensão das redes de distribuição. Além disso, controlam o fator de potência nas instalações, a gestão da geração e do armazenamento nas redes híbridas e a limitação da geração em situações especiais. Essas últimas referem-se às redes de alta impedância com excesso de geração.

É realmente possível um risco cibernético no setor de energia?

Seria possível usar inversores para fazer sabotagem na rede elétrica? Sabemos que as redes elétricas sempre tiveram suporte em sistemas de comunicação. Contudo, terroristas ou hackers, ao controlar e ameaçar a segurança cibernética dos inversores, poderiam tumultuar a estabilidade das redes elétricas, provocando apagões deliberadamente.

Da mesma forma, as sabotagens podem causar perdas econômicas que demoram a ser percebidas. E isso seria possível por meio de mudanças das configurações dos inversores. Por isso, com a expansão do uso de energia fotovoltaica, aumenta o número de inversores conectados à rede de dados, tornando as ameaças muito mais sérias. É importante esclarecer que, quanto mais expandida é a área de alcance de ataques, mais estragos podem ser causados.

Possíveis soluções para promover segurança nos sistemas fotovoltaicos

As pesquisas sobre segurança de dados e criptografia no setor de energias renováveis já é uma realidade. Basta pensar que as ameaças se tornam mais sérias à medida que os inversores ficam mais inteligentes e conectados às redes de dados. Diante desse fato, desde 2016, a Universidade de Berkeley (EUA) investiga soluções para atenuar ameaças cibernéticas nos inversores fotovoltaicos.

Diante disso, as soluções possíveis para o futuro incluem o uso de inteligência artificial nos inversores. Dessa forma, ao notarem uma invasão em curso, serão capazes de realizar ações emergenciais de controle. Os algoritmos inteligentes ficariam fora do alcance dos hackers, além de funcionarem como um compartimento incomunicável dos sistemas de controle interno de inversores.

Segurança dos inversores

Os fabricantes encontram-se pressionados de dois lados. Pelo mercado, em relação à abertura de seus algoritmos de controle ou ao fornecimento de funções para controle externo, usando protocolos de comunicação padronizados. Em contrapartida, sentem pressão pela necessidade de ampliar a segurança das comunicações dos inversores nas redes inteligentes.

Algumas empresas de equipamentos fotovoltaicos já estão comprometidas com a expansão da segurança de dados nas redes de conexão. Uma delas é a SMA, uma importante fabricante de inversores do tipo ON GRID, reconhecida como uma das pioneiras da tecnologia de inversores do mundo.

Critérios para segurança cibernética dos inversores fotovoltaicos

A maior parte das atividades operacionais dos sistemas fotovoltaicos pode ser feita pelo operador do sistema, no local, sem compartilhar dados. Contudo, as atividades de controle de inversores e de comunicação precisam de conexão com uma rede remota. Nesse sentido, os sistemas fotovoltaicos normalmente aplicam sistemas globais de comunicação, baseados em infraestruturas da internet que já existem.

Qualquer pessoa com acesso à internet tem fácil acesso ao monitoramento, já que a comunicação de dados pela web é economicamente amigável e viável ao cliente. Além disso, plataformas como a Sunny Portal (SMA) permitem o monitoramento por meio de aplicativos em smartphones ou interfaces utilitárias para serviços de gestão de rede.

Responsabilidades envolvidas na operação

A infraestrutura da internet não é segura por definição, uma vez que os invasores procuram sempre por sistemas vulneráveis. Portanto, tudo o que está conectado à internet pode ser usado para conseguir acesso à rede do cliente. E, isso pode ocasionar ataques em praticamente todos os dispositivos da rede. Então, para manter sistemas fotovoltaicos a salvo, os operadores devem seguir algumas diretrizes, como:

  • Conhecer todos os dispositivos ativos na rede local;
  • Entender as possíveis vulnerabilidades dos dispositivos;
  • Descobrir os recursos e requisitos de comunicação dos dispositivos;
  • Saber todas as contas que acessam o sistema;
  • Instalar e configurar todas as medidas de segurança relativas à segurança cibernética, como firewall, roteador, proxy;
  • Analisar melhorias e riscos contínuos nas medidas de segurança;
  • Usar senhas confiáveis.

Mudanças no presente

Futuramente, os ataques cibernéticos podem transformar-se em ameaças muito mais recorrentes, principalmente com a expansão da adoção de fontes de energia renovável, coma a solar. Além disso, os inversores comunicáveis e inteligentes estarão cada dia mais presentes nos sistemas fotovoltaicos, tanto na geração centralizada quanto na distribuída.

Então, cuidar da segurança cibernética dos inversores e da criptografia é assunto para o presente e não para o futuro. Assim sendo, centros de pesquisas e empresas fabricantes de inversores já disponibilizam soluções comerciais com criptografia de dados.

 Segurança cibernética dos inversores

Cada vez mais novos padrões de segurança serão necessários aos sistemas, considerando a evolução das redes de energia, que se tornam mais inteligentes. Com isso, passam a usar a infraestrutura global da web amplamente. Portanto, precisaremos de padrões de segurança elevados, que garantam a operação confiável, bem como imunidade a ataques cibernéticos. Só assim será possível reforçar a segurança cibernética dos inversores fotovoltaicos.

Para continuar no ritmo de conhecimento sobre esse assunto, continue com a gente e saiba o que é um inversor GRID TIE!

Compartilhe:
0 comentários

Notícias relacionadas