fbpx
Início » Energia solar corresponde a 2.4% da matriz energética do país

Energia solar corresponde a 2.4% da matriz energética do país

por Alessandra Neris
Publicado Última atualização em

O Brasil já conseguiu alcançar 2.4% da matriz energética do país por meio da energia solar fotovoltaica. Esses dados foram extraídos da ABSOLAR (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica) de dezembro de 2021.

Em fevereiro deste ano esse valor estava em apenas 1,7%, o que já resultou em um aumento considerável, ou seja, de quase 50%. No entanto, como sabemos, a matriz hidrelétrica ainda está no topo, liderando com 57,9% da geração de energia do país.

Esses dados, embora sejam animadores, nos mostram o quanto ainda precisamos avançar em termos de adoção de fontes renováveis. A urgência no processo de transição da matriz energética, portanto, afeta todos nós, em âmbito nacional e mundial.

Cenário animador: energia solar já é 2.4% da matriz energética do país

Assim, o cenário pode ser considerado promissor, se levarmos em conta os aumentos constantes na conta de energia enfrentados, ultimamente, pela população. Além disso, existe a possibilidade de recorrer à instalação de sistemas OFF GRID, que não dependem da distribuidora convencional e servem para regiões mais remotas.

Em 2012, os primeiros sistemas fotovoltaicos foram instalados no Brasil. E, de lá para cá, já contamos R$ 62,2 bilhões investidos pelo setor privado e 356 mil empregos gerados. Da mesma forma, deixamos de emitir 14 milhões de toneladas de CO2 na atmosfera, graças a essa fonte limpa e renovável de energia.

Energia solar já é 2.4% da matriz energética do país: potência instalada em GD

Quando falamos em potência instalada, em fevereiro de 2021, tínhamos 7,7 GW, incluindo geração centralizada e distribuída e, em dezembro, esse número ultrapassou os 12 GW de acordo com dados da ANEEL. Em relação à geração distribuída, as residências representam 76,3% do total de 678.061 de sistemas fotovoltaicos instalados.

No comércio e no setor de serviços, o ranking aponta o segundo lugar, com 34,9%. Já, o terceiro lugar, com 13,6% do total de instalações para os setores que mais usam energia solar, fica para o segmento rural. E assim, já alcançamos 2.4% da matriz energética do país.

Geração fotovoltaica em GD no Brasil por classe de consumo

A potência total instalada nos diversos setores abaixo descritos é de 7.617,0 MW.

  • Residencial: 42%, com 3.243,0 MW;
  • Comercial: 34,9%, com 2.657,0 MW;
  • Rural: 13,6%, com 1.038.0 MW;
  • Industrial: 7,7%, com 584,0 MW;
  • Poder Público: 1,1%, com 87,0 MW;
  • Serviço Público: 0,1%, com 7,0 MW;
  • Iluminação Pública: 0,01%, com 1,0 MW.

Por regiões

A potência instalada por regiões se apresenta da seguinte forma:

  • Minas Gerais lidera com 18% do total;
  • São Paulo (12,9%);
  • Rio Grande do Sul (12,4%);
  • Mato Grosso (7,5%);
  • Goiás (5,3%).

Por cidades

A cidade brasileira que mais apresenta fontes solares é Cuiabá (MT), que responde por 1,3% da potência instalada ou 95,6 MW. Vejamos:

  • Cuiabá – MT: 95,6 MW de potência – 1,3%;
  • Brasília – DF: 84,0 MW de potência – 1,1%;
  • Uberlândia – MG: 73,2 MW de potência – 1,0%;
  • Teresina – PI: 69,6 MW de potência – 0,9%;
  • Fortaleza – CE: 65,7 MW de potência – 0,9%;
  • Goiânia – GO: 61,8 MW de potência – 0,8%;
  • Rio de Janeiro – RJ: 61,7 MW de potência – 0,8%;
  • Campo Grande – MS: 48,6 MW de potência – 0,6%;
  • Manaus – AM: 42,7 de potência – 0,6%;
  • Belo Horizonte – MG: 42,5 de potência – 0,6%;

Energia solar já é 2.4% da matriz energética do país: benefícios da fonte fotovoltaica

Já temos fonte solar com 2.4% da matriz energética do país. Com isso, podemos citar, resumidamente, alguns benefícios importantes, como:

  • Mais de 12,1 GW operacionais;
  • Mais de R$ 62,2 bilhões em novos investimentos privados;
  • Mais de 365 mil novos empregos gerados;
  • Mais de R$ 16,1 bilhões em arrecadação de tributos;
  • Mais de 13,8 milhões de toneladas de CO2 que deixaram de poluir o ambiente.

Geração distribuída no Brasil

Resolução Normativa nº 482/2012 da ANEEL entrou em vigor em abril de 2012. Desde então, os brasileiros passaram a gerar sua própria energia elétrica proveniente de fontes renováveis. Agora podem, também, fazer cogeração qualificada e fornecer o excedente para a rede distribuidora local.

Estamos falando dos sistemas de microgeração (até 75 kW) e de minigeração (acima de 75 kW até 5 MW) distribuída da fonte solar fotovoltaica. Eles estão implantados em residências, comércios, indústrias, prédios públicos e propriedades rurais. Mas, você sabe do que se trata uma e outra? Vejamos uma breve diferenciação a seguir:

Minigeração de energia

É uma central geradora de energia solar fotovoltaica detentora de potência superior a 75 kW e menor ou igual a 3 MW para fontes hídricas. Apresenta, também, uma potência menor ou igual a 5 MW para cogeração qualificada, de acordo com a regulamentação da ANEEL.

Serve, ainda, para outras fontes renováveis de energia elétrica, conectadas à rede distribuidora por intermédio de instalações de unidades de consumo.

Microgeração de energia

Essa modalidade se caracteriza por uma central geradora de energia elétrica com potência instalada menor ou igual a 75 kW, por meio de fontes renováveis.

É a energia solar fotovoltaica, seguindo a regulamentação da RN 482/12 da ANEEL, conectada à rede de distribuição, com auxílio de instalações de unidades consumidoras.

Isso significa que a microgeração de energia solar diz respeito a qualquer sistema fotovoltaico conectado à rede, inferior a 75 kWp.

Assim, temos os dados da ANEEL atualizados

  • 97,5% de potência instalada na microgeração e minigeração distribuída da fonte solar fotovoltaica, a líder isolada do segmento;
  • 99,9% de todas as conexões de micro e minigeração distribuída pertencem à fonte solar fotovoltaica;
  • 061 sistemas solares fotovoltaicos estão conectados à rede;
  • 000 unidades consumidoras estão recebendo créditos pelo sistema de compensação de energia elétrica. E isso representa mais de 1,0% do total;
  • 421 municípios com geração distribuída;
  • 21 GW em GD;
  • Mais de 722 mil geradores instalados;
  • Mais de 929 mil unidades recebedoras de crédito.

A força que vem do sol

Por fim, conheça mais sobre energia solar e comece agora mesmo a traçar o seu plano de ação para aderir a essa fonte renovável. Por isso, acesse o site da Aldo Solar e confira os produtos.

Caso prefira, entre em contato com nossa equipe de vendas. Se for consumidor final, acesse a CALCULADORA ALDO SOLAR, faça uma simulação do produto e agende uma visita técnica que um revendedor da Aldo irá atendê-lo.

> Leia também: Como se tornar uma revenda Aldo Solar!

Notícias relacionadas

Leave feedback about this

  • Rating