Início » Mercado de armazenamento de energia solar é promissor

Mercado de armazenamento de energia solar é promissor

por Alessandra Neris

Os sistemas de armazenamento de energia solar fotovoltaica expandem rapidamente em países como a Coreia do Sul, China, Alemanha e Estados Unidos. E assim, tendem a se tornarem cada dia mais atrativos para os usuários aqui no Brasil.

Para determinados perfis de consumidores a queda nos custos dos equipamentos fotovoltaicos e das baterias solares facilita a adoção desses sistemas solar completo, contribuindo para expansão do segmento, principalmente em áreas remotas e locais que demandam cargas essenciais como indústrias e hospitais.

Baterias como aliadas

Em um estudo desenvolvido pela Greener, em janeiro deste ano, o mercado de armazenamento de energia solar fotovoltaica foi tema. Da mesma forma, um estudo promovido pela Bloomberg New Energy Finance fez outro levantamento em 2020. A pesquisa mostrou que entre 2010 e 2019, o preço das baterias destinadas para as aplicações fotovoltaicas caiu quase 87% chegando ao custo médio de US$ 156/kWh.

Esses são dados que demonstram a possibilidade de independência do consumidor em relação às distribuidoras de energia. Além disso, os sistemas fotovoltaicos equipados com baterias permitem o uso de energia solar em dias nublados ou chuvosos e durante a noite.

Perspectivas de crescimento

Aqui, as grandes empresas de energia renovável já estão de olho nas possibilidades de armazenamento, sinalizando para o desenvolvimento desse setor. Assim, as soluções tendem a ser amplas e o mercado cada vez mais promissor.

Basta pensar que o sistema é usado para reduzir o consumo de energia direta da rede nos horários de pico. E também serve para injetar energia nos momentos de alta demanda e ajudar a reduzir a demanda contratada, com economia na conta de luz. Isso é especialmente relevante para o consumidor convencional, que não usufrui do desconto da TUSD (Tarifa de Uso do Sistema de Distribuição).

Vantagens do armazenamento

Para o consumidor individual há uma série de importantes vantagens:

  • Gerir consumo e demanda contratada;
  • Servir como backup de energia;
  • Potencializar os benefícios da geração distribuída;

Desta forma, torna-se possível transformar o consumidor em ‘prossumidor’ proporcionando um importante aumento de sua autonomia energética.

Previsão de capacidade cumulativa de armazenamento de energia solar

Entre 2020 e 2035 existe uma previsão de crescimento da demanda por baterias para mobilidade elétrica em 19% por ano. Assim, em 2035 a mobilidade elétrica representará mais de 70% da demanda total por baterias. Este crescimento de demanda induzirá uma redução significativa no custo de baterias para outras aplicações, entre elas o mercado de aplicações estacionárias em sistemas off grid e multgrid. E a potência global ultrapassará 1.000 GW até 2040.

Além disso, o preço de baterias de lítio caiu 89% desde 2010. E, durante o mesmo período, a densidade energética quase triplicou de ≈ 100 Wh/kg em 2010 para ≈ 300 Wh/kg em 2020.

Mercado mundial

A indústria de armazenamento de energia encerrou 2020 com 9,4 GWh de sistemas instalados no mundo todo. A projeção para 2021 é atingir 14,4 GWh, ou seja, um crescimento de mais de 50% no ano. E entre 2023 e 2025, espera-se um crescimento de 125% ao ano. São estimativas da consultoria Wood Mackenzie, que animam os fabricantes mundiais de equipamentos para esse mercado.

A BYD é um deles e já inaugurou uma fábrica em Manaus em 2020 com a finalidade de produzir baterias de lítio para veículos. A empresa tem, ainda, como meta dar início à fabricação dos primeiros sistemas de armazenamento de energia.

Tributação no Brasil atrapalha

No Brasil, para que o mercado evolua, é preciso mudar o sistema de tributação. E em comparação com o resto do mundo, nosso país está indo devagar, basicamente, em virtude da estrutura tributária mantida aqui. Pagamos mais de 80% de impostos em sistemas de armazenamento e isso dificulta muito a adoção do uso da tecnologia. Isso ocorre mesmo com a queda do preço da bateria.

Convém destacar que o nosso país tem um enorme potencial para sistemas de armazenamento. Possui uma rede integrada e matriz energética predominantemente renovável e crescimento da geração eólica e solar. Além disso, a tecnologia já atingiu uma maturidade que propicia aplicações diversas.

Regulamentação e limitações

Nos últimos anos, a diminuição do custo das baterias em aproximadamente 90% não representou um ganho relevante para o Brasil. Isso em virtude das questões tributárias, bem como da desvalorização do real em relação ao dólar.

Essa situação aliada à ausência de uma política industrial e um plano de uso de energias renováveis com armazenamento limitam a tecnologia. Dessa forma, tudo acaba restrito a projetos pilotos, de pesquisa e desenvolvimento.

Outro fator é a ausência de regulamentação por parte do Inmetro quanto aos inversores híbridos. Esses equipamentos permitem o uso de sistemas de armazenamento em larga escala e de inserção de energia na rede, quando necessário. É preciso criar regulamentações que incentivem cada vez mais o consumidor a ser autossustentável quanto ao consumo de energia.

Aldo Solar e Santander Financiamento

Principais aplicações no setor elétrico

As baterias de chumbo-ácido são o tipo de aplicação mais antiga no Brasil. E programas de universalização de energia elétrica, como o Mais Luz para a Amazônia impulsionarão esse mercado. Assim, as aplicações Híbridas: Solar + Diesel + Baterias – ganham competitividade, reduzindo custos e as emissões de CO2. Vale dizer que comunidades isoladas e consumidores rurais já aplicam estas soluções, por exemplo, em pivôs de irrigação.

No âmbito da chamada de P&D estratégico da ANEEL 21/2016 foi realizado um projeto de micro rede com bateria na ilha de Fernando de Noronha. Essa experiência poderá servir de referência para outros sistemas isolados no Norte do país.

Mais projetos remotos

O Brasil desenvolveu outros projetos de instalação de sistemas solares remotos para atender comunidades isoladas. Assim, podemos citar o PRODEEM (Programa de Desenvolvimento Energético de Estados e Municípios). O programa instalou mais de 6.200 sistemas para atender as necessidades domésticas de energia elétrica e iluminação pública.

Tais sistemas contavam com baterias de chumbo-ácido seladas de 12 Vdc. E apesar do elevado número de sistemas, a capacidade instalada de armazenamento não era efetivamente elevada, já que consistiam de sistemas de pequeno porte.

Universalização

Outro projeto de universalização do acesso à energia foi o Luz Para Todos (LpT). No entanto esse estava orientado, na maior parte dos casos, ao acesso via expansão da rede de distribuição. Assim, não houve expressiva quantidade de sistemas de geração com armazenamento instalados.

Além disso, em fevereiro de 2020 o Governo Federal lançou o programa Mais Luz para a Amazônia (MLpA). Ele propõe a instalação de sistemas de geração renovável em comunidades ribeirinhas, indígenas e quilombolas. O programa terá vigência até o fim de 2022, podendo ser prorrogado enquanto houver comunidades sem acesso à energia na região. É oportuno informar que o orçamento conjunto de LpT e MLpA na CDE para 2021 é de R$ 1,1 bilhões.

Concluindo

Conforme a tecnologia avança e as necessidades começam a ser supridas, o espaço para mais inovação também aumenta. E assim, o mercado para armazenamento de energia solar está cada dia mais promissor e tende a proporcionar a independência de que todos precisamos.

Por fim, se você gosta de saber das mais variadas possibilidades de uso da energia solar, entenda como você pode tirar proveito dessa fonte com os artigos aqui do nosso blog!!

Compartilhe:
0 comentários

Notícias relacionadas

Deixe um comentário